Mostrando postagens com marcador Coisas marcantes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Coisas marcantes. Mostrar todas as postagens

domingo, 13 de março de 2016

Planejamento.


Um garoto de 12 anos entra num bordel arrastando um gato morto por um barbante. Coloca uma nota de 50 no balcão e diz: — Quero uma mulher! A cafetina, olhando para ele, responde: — Você não acha que é um pouco jovem para isso? Ele baixa uma segunda nota de 50 no balcão e repete: — Quero uma mulher! — Tá certo! – responde ela. – Senta aí que vem uma dentro de meia hora. Ele põe outra nota de 50: — Agora! E ela tem que ter gonorreia! A cafetina pergunta por quê, mas ele saca mais uma nota de 50 e repete: — Gonorreia! Alguns minutos depois chega uma mulher, eles sobem a escada (ele arrastando o gato morto). No quarto ela faz seu trabalho, quando eles estão saindo, a cafetina pergunta: — Tudo bem, mas por que você queria alguém com gonorreia? — Quando eu voltar para casa vou transar com a empregada, e quando o papai voltar para casa, ele vai levar a empregada para casa dela e vai transar com ela. Quando ele voltar para casa, vai transar com a mamãe, e amanhã de manhã, depois que o papai sair para o trabalho, a mamãe vai transar com o leiteiro… AQUELE FILHO DA PUTA QUE ATROPELOU MEU GATO!!! Moral da História: ENTENDEU O QUE É PLANEJAMENTO? É aquilo que fode com todo mundo para se atingir um objetivo…

domingo, 12 de julho de 2015

A MALDIÇÃO DA PRINCESA AMEN-RA Além da Imaginação.


"Sabe-se que os antigos Egípcios possuiam conhecimentos astronômicos, científicos e outros muito avançados para sua época, chegando a realizar proezas de engenharia impossíveis naquele tempo, como a construção das pirâmides. Uma de suas tradições mais conhecidas e praticadas na época, era a do embalsamar os mortos e colocá-los em sarcófagos, pois imaginavam que os falecidos poderiam retornar à vida em uma época futura. Para proteger seus mortos, principalmente os mais importantes, realizavam rituais secretos, onde diz-se a lenda, proferiam maldições para quem violasse as tumbas e principalmente os sarcófagos dos falecidos! Mas seria somente uma lenda?" ================================================================================= Uma figura importante da época Egípcia, foi a Princesa "Amen-Ra", sacerdotisa de "Amon-Ra", e que viveu por volta de 1500 aC no antigo Egito. Quando ela morreu foi embalsamdada, colocada em um belo sarcófago de madeira, e enterrada em uma cripta em Luxor, ao longo das margens do rio Nilo no Egito [Coordenadas GPS: Latitude / Longitude = 25°41'32.62"N, 32°38'4.40"E]. Mais de três mil anos depois, no final do ano de 1890, quatro jovens ricos de Inglaterra visitaram as escavações que estavam sendo feita em Luxor. Chegando no local puderam contemplar o belo sarcófago da princesa, o qual havia recentemente sido recolhido da câmara mortuária, onde repousou por mais de 3000 anos. Fascinados pela macabra raridade, todos quiseram comprá-lo, mas um deles fez uma oferta muito alta, que os outros não puderam cobrir, sendo então o novo proprietário do sarcófago. Após a compra, o novo dono pediu para alguns nativos locais transferiram o sarcófago para o hotel onde ele e seus companheiros estavam hospedados. Horas mais tarde, o novo proprietário do sarcófago saiu sozinho nas areias do deserto e desapareceu e não nunca mais foi visto. No dia seguinte, um de seus três companheiros perdeu um braço depois de ser acidentalmente ferido por um disparo de arma de fogo feito por um dos seus servos egípcios. A maldição atacou também os outros dois que restaram quando retornaram para a Inglaterra. Um descobriu que suas economias haviam desaparecido, e o outro ficou inválido devido à uma doença grave e terminou seus dias vendendo fósforos na rua. Posteriormente, após a série de infortúnios, o caixão chegou à Inglaterra deixando um rastro de tragédias. O sarcófago então foi vendido novamente, e seu novo proprietário, um empresário, seria mais uma vítima da cadeia de acontecimento estranhos e assustadores que acompanhou a múmia em sua tragetória: - três de seus parentes ficaram feridos em um acidente de carro e sua casa foi queimada em um incêndio. O empresário, assustado com o que tinha acontecido, bem como com as história que havia ouvido a respeito do sarcófago com a múmia de Amen-Ra, doou a peça ao Museu Britânico. Mas a maldição que acompanhava a múmia em seu sarcófago, atingiu também o seu transporte para o museu. O caminhão que carregava o sarcófago, de forma misteriosa, se colocou em movimento sozinho, e atrapelou um pedestre. Além disso, um dos transportadores quebrou uma perna e o outro morreu poucos dias depois atingido por uma doença desconhecida. Os problemas foram agravados quando o sarcófago foi colocado na sala egípcia do museu: - os guardas do museu ouviram pancadas e gemidos vindos de dentro do sarcófago, e ao mesmo tempo outras peças do local se moveram sem causa aparente. - um guarda noturno foi encontrado morto de forma misteriosa no trajeto de sua ronda no museu e os outros vigilantes abandonaram o trabalho. - toda a equipe de limpeza do museu se recusou a trabalhar no local onde estava o sarcófago, com medo dos inexplicáveis e assustadores acontecimentos. Então após tantas tragédias e acontecimentos assustadores, finalmente foi decidido transportar o sarcófago para o porão do museu para evitar maiores problemas, mas não funcionou. Um dos conservadores do museu morreu sem motivo aparente e seu auxiliar foi internado devido a uma doença grave. Depois de tantos acontecimentos, a imprensa começou a divulgar para o público a maldição que acompanhou o sarcófago. Então um repórter tirou uma foto do sarcófago. Quando a foto foi revelada, apareceu um rosto humano horrível em vez do rosto pacífico e belamente pintado na madeira do sarcófago. Diz-se que depois de olhar para a imagem por um tempo, o fotógrafo foi para casa e se matou. Finalmente, o Museu Britânico decidiu "se livrar" do sarcófago com a Princesa "Amem-Ra". Um colecionador o comprou, e depois de novos acontecimentos de mortes e desgraças, o trancou no sótão e procurou ajuda. O pedido de ajuda feito pelo cavaleiro assustado foi atendido por Madame Helena Blavatsky, uma autoridade sobre o mundo do ocultismo do início do século XX. Quando Madame Hela entrou na casa, sentiu imediatamente uma presença maligna que se emanava do sótão, onde sem ela saber, estava o sarcófago com a múmia da princesa. Ela então não concordou com a idéia da realização de um exorcismo no local, e implorou a seu proprietário para se livrar do sarcófago urgentemente. Mas quem, na Inglaterra, iria querer comprar um sarcófago com uma múmia, e ainda após tantos acontecimentos trágicos, indicando a existência de uma maldição que acompanhava a todos aqueles que adquirissem aquilo? Ninguém. Felizmente, fora do país surgiu um comprador interessado: um arqueólogo norte americano que atribuía todos aqueles infortúnios que aconteceram à uma série de coincidências, nada mais que isso. Então após as tratativas, para felicidade do antigo proprietário, o sarcófago com a múmia da princesa "Amen-Ra" foi preparado para ser enviado à Nova York (EUA). Na noite de 10 de abril de 1912, o antigo proprietário entregou os restos de princesa de "Amen-Ra" em um grande navio, o qual estava prestes a cruzar o Oceano Atlântico com 2.224 passageiros a bordo: um transatlântico da clase Olympic, batizado com o nome de RMS TITANIC.

domingo, 26 de abril de 2015

Algumas das substâncias químicas contida nos cigarros.


Amônia (NH3): Produto usado em limpeza de azulejos. É corrosiva para o nariz e para os olhos. Vicia. Facilita a absorção de nicotina pelo organismo. - Propilenogoglicol (CaHgO2): Usado em desodorantes. Faz a nicotina chegar ao cérebro. Também utilizado como umectante para hidratar o tabaco. - Acetato de chumbo [PB (CH3CO2)2]: Presente na fórmula de tinturas para cabelo, como o Grecin 2000. Cancerígeno e cumulativo no organismo. Banido da gasolina. - Formol (CHzO): Conservante de cadáver. Nos vivos, provoca câncer no pulmão, problemas respiratórios e gastrintestinais. - Pólvora: Libera partículas cancerígenas quando queimada. Facilita a combustão do cigarro e a produção de uma fumaça suave. Provoca tosse, falta de ar e irritação das vias respiratórias. - Methoprene: Inseticida usado em antipulgas. Provoca irritações na pele e lesões no aparelho respiratório. - Cádmio (Cd): Usado em pilhas e baterias. Metal altamente tóxico e cumulativo no organismo. Causa danos nos rins e no cérebro. Corrói o trato respiratório, provoca perda de olfato e edema pulmonar. Leva até 20 anos para ser expelido. - Naftalina (C1OH8): É usado para matar baratas. Gás venenoso sintetizado em forma de bolinhas. Provoca tosse, irritação na garganta, náuseas, transtornos gastrintestinais e anemia. - Fósforo (P4 ou P6): Usado na preparação de veneno para ratos, como o Racumin. - Acetona (C3H6O): Usado em removedor de esmalte. Entorpecente e inflamável. Irrita a pele e a garganta, dá dor de cabeça e tontura. - Terebintina: Usado para diluir tintas a óleo e limpar pincéis. Tóxico extraído de resina de pinheiros. A inalação irrita olhos, rins e mucosas. Pode provocar vertigem, desmaios e danos ao sistema nervoso. - Xileno (C8H10): Presente em tintas de caneta. Inflamável e cancerígeno. A inalação irrita olhos, causa tontura, dor de cabeça e perda de consciência. - Butano (C4H10): Gás de cozinha. Mortífero e altamente inflamável. Quando inalado, substitui o oxigênio no pulmão e é bombeado para o sangue. Causa falta de ar, problemas de visão e coriza.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

A ilha dos sentimentos.


Era uma vez uma ilha, onde moravam todos os sentimentos: a Alegria, a Tristeza, a Sabedoria e todos os outros sentimentos. Por fim o amor. Mas, um dia, foi avisado aos moradores que aquela ilha iria afundar. Todos os sentimentos apressaram-se para sair da ilha. Pegaram seus barcos e partiram. Mas o amor ficou, pois queria ficar mais um pouco com a ilha, antes que ela afundasse. Quando, por fim, estava quase se afogando, o Amor começou a pedir ajuda. Nesse momento estava passando a Riqueza, em um lindo barco. O Amor disse: - Riqueza, leve-me com você. - Não posso. Há muito ouro e prata no meu barco. Não há lugar para você. Ele pediu ajuda a Vaidade, que também vinha passando. - Vaidade, por favor, me ajude. - Não posso te ajudar, Amor, você esta todo molhado e poderia estragar meu barco novo. Então, o amor pediu ajuda a Tristeza. - Tristeza, leve-me com você. - Ah! Amor, estou tão triste, que prefiro ir sozinha. Também passou a Alegria, mas ela estava tão alegre que nem ouviu o amor chamá-la. Já desesperado, o Amor começou a chorar. Foi quando ouviu uma voz chamar: - Vem Amor, eu levo você! Era um velhinho. O Amor ficou tão feliz que esqueceu-se de perguntar o nome do velhinho. Chegando do outro lado da praia, ele perguntou a Sabedoria. - Sabedoria, quem era aquele velhinho que me trouxe aqui? A Sabedoria respondeu: - Era o TEMPO. - O Tempo? Mas porque só o Tempo me trouxe? - Porque só o Tempo é capaz de entender o "AMOR"."

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

BURT LANCASTER. 'Obituário da Fama"


[02 / 11 / 1913 <==> 20 / 10 / 1994] Burton Stephen Lancaster, mas conhecido pelo público e fãs como “Burt Lancaster”, foi um famoso ator norte americano, o qual atuou em diversos filmes para a televisão e cinema. Burt Lancaster nasceu na cidade de Nova York (EUA), sendo descendente de uma família protestante irlandesa que emigrou para os Estados Unidos no final do século XIX. Burt Lancaster foi um dos cinco filhos de um funcionário dos correios de Nova York. Viveu sua infância no Harlem (bairro de Nova York) onde, logo cedo, demonstrou interesse pela ginástica Ao ganhar uma bolsa de estudos como esportista para a Universidade de Nova York, tornou-se um jogador de basquete. Mais tarde, formou uma dupla acrobática com Nick Cravat, passando a se apresentar em circos. Após servir na 2ª Guerra Mundial, fez um teste para um papel na Broadway, estrelando a peça "The Sound of Hunting", fato que o levou a ser convidado a participar do filme de Robert Siodmak "Os Assassinos", em 1946. Após esse trabalho, sucederam-se vários outros filmes, participando em quatro anos de cerca de dez produções de Hollywood, tais como "Brutalidade", "A Filha da Pecadora" e "Estranha Fascinação". Em 1948, juntamente com Harold Hecht e James Hill, criou sua própria produtora. Ao longo de sua carreira, Burt Lancaster foi agraciado com o Oscar de “Melhor Ator” por sua atuação em "Entre Deus e o Pecado", além de receber outras três indicações por seu trabalho em "A Um Passo da Eternidade", "O Homem de Alcatraz" e "Atlantic City". Além da reputação de um ator sempre eficiente, Lancaster foi também um empresário ambicioso e bem sucedido, tendo realizadas várias produções independentes com sucesso. O filme Marty, vencedor do Oscar de 1955, foi produzido pela companhia de Harold Hecht e Burt Lancaster; sendo feito com um pequeno orçamento, pois precisavam de um filme que "perdesse dinheiro" devido aos impostos. No entanto, devido ao sucesso de crítica, investiram mais na promoção e na publicidade, e o filme foi um sucesso no Oscar e em Cannes. Em 1962 ganhou o prêmio de melhor ator no Festival de Veneza pela sua atuação em O Homem de Alcatraz. Burt Lancaster casou-se três vezes: Em 1935, com June Ernst, de quem se divorciou em dezembro de 1946; no mesmo mês, casou-se com Norma Anderson, com quem teve cinco filhos (William, James, Susan, Joanna e Shelia) e de quem se divorciou em julho de 1969; e, finalmente, em setembro de 1990, com Susan Martin. Apesar desses casamentos, acredita-se que ele era bissexual e que teria tido relações com outros atores famosos como Cary Grant, Rock Hudson e Marlon Brando. Além de ator e produtor, Lancaster foi também um empenhado ativista liberal, falando várias vezes em nome das minorias. Ao longo da vida, Burt Lancaster desenvolveu problemas de saúde devido à aterosclerose (entupimento das artérias) e quase não sobreviveu, sendo encaminhado para cirurgia da vesícula biliar, em janeiro de 1980. Na sequência de dois ataques cardíacos menores, em 1983, ele teve que passar por uma cirurgia de emergência para a colocação de uma ponte de safena. Em novembro de 1990, um grave acidente vascular cerebral o deixou parcialmente paralisado e incapaz de falar. Burt Lancaster morreu em seu apartamento de um terceiro ataque cardíaco aos 80 anos de idade. Em 1999, o American Film Institute o classificou como uma das maiores estrelas masculinas de todos os tempos. Ele tem uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. Após sofrer uma cirurgia de urgência no coração, teve uma trombose cerebral em 1990, que o deixou numa cadeira de rodas, vindo a falecer quatro anos depois de um ataque cardíaco. Causa da Morte: Burt Lancaster morreu em 20/10/1994 com 80 anos de idade em seu apartamento em Century City - Califórnia - EUA, vítima de ataque cardíaco. Ele possuía 4 pontes de safena devido à problemas cardíacos anteriores. Em novembro de 1990, um grave acidente vascular cerebral o deixou parcialmente paralisado e incapaz de falar. Sepultamento: Westwood Memorial Park. 1218, Glendon Avenue - Los Angeles - Califórnia - EUA. Coordenadas GPS (Latitude / Longitude):

domingo, 21 de setembro de 2014

Respondendo à Altura.


O General dirige-se a um soldado e pergunta: ? Você tem troco para cem? ? Claro, meu chapa! ? responde prontamente o soldado. ? Isso não são modos de dirigir-se a um oficial! ? revolta-se o General. ? Vamos tentar novamente: Recruta, você tem troco para cem? E o soldado, com voz firme: ? Não, senhor!

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Amigo de Confiança.


De partida para a guerra, um soldado muito ciumento resolveu colocar um cinto de castidade na esposa, temendo ser traído. - Não é justo, posso morrer na guerra e minha mulher é muito jovem. já sei, darei a chave ao meu amigo de confiança, e se algo acontecer comigo, ele poderá solta-la. Mo dia da partida, mal tinha cavalgado 200 metros, ouviu a voz do amigo, que corria desesperadamente em seu encalco. - Que aconteceu amigo, o que houve? - Companheiro! - disse o outro, totalmente sem folego. - você deixou a chave errada!

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Amiga de Todas As Horas.


As duas amigas se encontram: - Oi, Teresa, como vai? - Ih, minha querida, estou muito mal! Acabei de descobrir que tenho uma doença incurável. - Meu Deus! - E o pior... só tenho mais alguns dias de vida! - Ah, coitada! - e depois de refletir alguns segundos: - Já sei, vou te ajudar! - Como? - Vou mandar o meu marido passar esses dias com você! - Por quê? - Com ele, esses dias vão parecer uma eternidade!

domingo, 29 de junho de 2014

ADRIANO REYS . " Obituário da Fama" Ator Famoso.


Ator [20 / 07 / 1933 <==> 20 / 11 / 2011] Adriano Antonio de Almeida, mais conhecido como "Adriano Reys", foi um famoso ator brasileiro, sendo mais lembrado pelo público e fãs por suas diversas atuações em filmes nacionais, teatro e novelas para a televisão. Adriano Reys nasceu em 20/07/1933 na cidade do Rio de Janeiro, e apesar da dedicação aos esportes nos tempos de colégio (que lhe valeu várias medalhas) , as tendências artísticas de Adriano Reys foram mais fortes. Com apenas 19 anos, estreou no cinema, no filme "Os Três Recrutas" (1953). Na mesma época, pisou os palcos pela primeira vez, na peça "Cupim", contracenando com Oscarito, Margot Louro e Miriam Teresa. De sua carreira cinematográfica, destacam-se "Tiradentes, o Mártir da Independência" (1977) (de Geraldo Vietri) e "Menino do Rio" (1982), de Antônio Calmon. Foi dirigido também por Domingos de Oliveira, em "Todas as Mulheres do Mundo" (1966), e Carlos Manga, em "A Dupla do Barulho (1953)", entre outros. Seu primeiro trabalho em televisão foi em 1970, na telenovela "E Nós Aonde Vamos?". No mesmo ano, fez também "Pigmalião 70" (1970). Depois, vieram "Bel-Ami" (1972), "A Viagem" (1975) e" Éramos Seis (1977)", todas na TV Tupi de São Paulo. Transferido para a TV Globo, atuou em "Ciranda de Pedra" (1981), "Sétimo Sentido" (1982), "Final Feliz" (1982), "Ti Ti Ti" (1985), "Vale Tudo" (1988), "Barriga de Aluguel" (1990) e "Mulheres de Areia" (1993), entre outras. Em uma breve passagem pela TV Bandeirantes, contracenou com Betty Faria em "A Idade da Loba" (1995). Adriano Reys afastou-se por oito anos da TV, para retornar, pela Globo, em "Kubanacan" (2003) e "A Lua me Disse" (2005). No ano seguinte, voltou à Bandeirantes, atuando em "Paixões Proibidas". Em agosto de 2009, foi ao ar seu último trabalho na televisão: "Promessas de Amor", na TV Record. Antes, na mesma emissora, já havia participado da terceira fase de "Mutantes — Caminhos do Coração". Morreu em novembro de 2011 no Hospital Copa D'Or, no Rio de Janeiro, onde estava internado havia 10 dias para tratamento de câncer no fígado e no peritônio. Adriano Reys era casado com Viviane de Amorim Cantinho e não tinha filhos. Causa da Morte: Adriano Reys morreu 20/11/2011 com 78 anos de idade no Hospital Copa D'or na cidade do Rio de Janeiro, devido à complicações de câncer no fígado e no peritônio. Sepultamento: O corpo de Adriano Reys foi cremado no Cemitério Memorial do Carmo - Caju - Zona Portuário do Rio de Janeiro. Av. Monsenhor Manuel Gomes, 287 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil. Coordenadas GPS (Latitude / Longitude) (Cemitério): [22°53'18.43"S / 43°13'14.21"W] [Clique nas Coordenadas acima para acessá-las no Google Maps!] __________________________________________________________ Nota: [Zelamos pela qualidade e precisão das informações contidas nas Mini Biográfias publicadas, no entanto falhas podem ocorrer, sendo que neste caso solicitamos que possíveis erros existentes nessa Mini Biografia, bem como para complementar informações e dados que possam melhorar o artigo, sejam comunicados através do e-mail: assombracoes@gmail.com]. __________________________________________________________

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Corno no céu..


Um homem sofreu um acidente fatal e morreu. Chegando no céu o porteiro lhe dá uma BMW e lhe diz: - Você nunca traiu sua esposa na sua vida, por tanto esse carro e pra você andar no céu. O próximo ganhou um corsinha porque tinha traído só um pouquinho o outro ganhou um fusquinha porque tinha traído muito. Em um certo dia, o cara do fusquinha vê o da BMW parado no acostamento chorando, e ai o do fusca foi consola -lo: - Você com um carrão desses chorando aí triste e eu aqui com um fusca feliz da vida. o que aconteceu? Imediatamente o da BMW lhe responde: É que eu acabei de ver a minha mulher andando de skate. . . .

domingo, 28 de julho de 2013

VIVIEN LEIGH "Obituário da Fama" Atriz Famosa.


Atriz [05 / 11 / 1913 <==> 07 / 07 / 1967] Vivien Leigh, Lady Olivier, mais conhecida como Vivien Leigh, foi uma famosa atriz e "lady" inglesa nascida na Índia (quando este país ainda pertencia ao Império Britânico), considerada uma das mais belas e importantes personalidades do século XX, presente na lista feita pelo Instituto Americano de Cinema das 50 maiores lendas do cinema, sendo mais lembrada pelo público e fãs pelo seu papel de "Scarlett O'Hara" no famoso e mundialmente conhecido filme "E o Vento Levou" de 1939. Apesar de suas aparições no cinema terem sido relativamente poucas, Vivien venceu o Oscar de melhor atriz duas vezes. A primeira vez foi interpretando Scarlett O'Hara em "E o Vento Levou" (1939), e a segunda foi interpretando Blanche DuBois em "Uma Rua Chamada Pecado" (1951) (a mesma personagem que ela interpretara nos palcos da West End, em Londres). Vivien frequentemente fazia colaborações com seu marido, o também ator, e diretor Laurence Olivier. Durante mais de trinta anos como atriz de teatro, ela se mostrou bastante versátil, interpretando desde heroínas das comédias de Noel Coward e George Bernard Shaw às personagens dos dramas clássicos de Shakespeare. Aclamada por sua beleza, ela sentia que isso às vezes atrapalhava o público de vê-la como uma atriz séria. Afetada por um distúrbio bipolar durante a maior parte de sua vida adulta, o humor de Vivien era quase sempre não-entendido pelos diretores, e ela ganhou a reputação de ser uma atriz difícil. Diagnosticada com tuberculose crônica na metade da década de 1940, Vivien se tornou uma pessoa enfraquecida a partir de então. Ela e Laurence Olivier se divorciaram em 1960; a partir daí, a atriz continuou a trabalhar esporadicamente no cinema e no teatro até sua morte súbita por tuberculose. Vivien Leigh nasceu Vivian Mary Hartley em 5 de novembro de 1913 na cidade de Darjeeling, à sombra do Monte Everest, na Índia. Vivian chegara no final da era de ouro do Império Britânico. Vinda de uma família burguesa inglesa, seu pai, Ernest Hartley, era agente de câmbio e, paralelamente, atuava no teatro amador. No fim da Primeira Guerra Mundial, ele levou a família de volta à Inglaterra. Aos 6 anos de idade, sua mãe, Gertrude, decidiu interná-la no Convento do Sagrado Coração, ainda que ela fosse dois anos mais nova que qualquer outra aluna. O único conforto para a criança solitária era um gato que vagava pelo pátio do convento, e que as freiras a deixaram levar para o dormitório. Sua primeira e melhor amiga na escola era uma menina de 8 anos, que mais tarde também se tornaria estrela: Maureen O'Sullivan, que viera da Irlanda. Na quietude do convento, as duas brincavam de recriar os lugares que haviam deixado, e imaginavam como seriam os que desejavam visitar. Lá, ela se destacou na dança, no violoncelo e nas peças de final de ano. De 1927 a 1932, ela se juntou aos pais na Europa. Os Hartley haviam deixado definitivamente a Índia, onde Vivian nascera. Devido à sua educação refinada, Vivien aprendeu a falar fluentemente o francês e o alemão, além de fazer um curso de dicção. Em 1932, aos 18 anos, entrou na Academia Real de Artes Dramáticas de Londres; surpreendentemente, no entanto, ela saiu no outono do mesmo ano, quando decidiu se casar. Vivian conhecera e se apaixonara pelo jovem advogado Hebert Leigh Holman, de 31 anos, e os dois se casaram em 20 de dezembro de 1932. Logo em seguida, em 1933, nasceu Suzanne Holman, a filha do casal. Depois, retornou à Academia Real de Artes Dramáticas de Londres para concluir seus estudos e se tornar uma atriz. Vivian fez teste e foi escolhida para um pequeno papel num filme chamado "Things Are Looking Up" (1935). Embora o papel fosse pequeno, chamou a atenção de um empresário, John Glidden, do qual ela se tornou cliente. Depois, no mesmo ano, veio um filme barato: "The Village Squire". John Glidden também criou um nome artístico para Vivian, usando o primeiro nome dela e um sobrenome do marido. Pouco depois, o produtor Sidney Carroll sugeriu que a letra "a", nome Vivian, fosse substituído por uma letra "e", para dar mais feminilidade. Vivien Leigh estreou nos palcos de Londres interpretando a esposa namoradeira em The Green Sash. A carreira dela deu uma guinada quando ela protagonizou a produção de Sidney Carroll da peça "The Mask Of Virtue". A peça, que estreou em 15 de maio de 1935 foi um estrondoso sucesso e, quase da noite para o dia, Vivien se tornou o assunto de Londres. Os elogios da crítica a Vivien, unidos a sua incomparável beleza, chamaram a atenção do produtor Alexander Korda, que a contratou por 5 anos. Antes de filmar o primeiro filme do contrato, Vivien conseguiu aparecer em mais três peças. Em 1937, Korda estava preparado para trabalhar com sua revelação no filme "Fogo sobre a Inglaterra", um filme sobre a rainha Elizabeth I na época da Armada Espanhola. Vivien estava entusiasmada com o filme e especialmente contente porque iria trabalhar com Laurence Olivier, um ator que ela e seu marido conheciam socialmente. Laurence Olivier e Vivien Leigh ficaram íntimos demais durante a filmagem, e restava pouca dúvida de que os dois estavam apaixonados. No mesmo ano, ao atuarem juntos na peça Hamlet, no Castelo de Elseneur, local da tragédia de Shakespeare, o sucesso foi enorme, a ponto do príncipe da Dinamarca vir vê-los. Depois disso, os jovens amantes perceberam que havia chegado a hora de falar a seus respectivos consortes do seu amor, e que queriam se divorciar para se casar. Vivien deixou definitivamente seu marido e foi morar com Olivier, deixando a educação de sua filha, Suzanne, por conta de sua mãe. Em seguida, eles filmaram "Três Semanas de Loucura", mas o filme foi considerado bobo e nem chegou a ser lançado (só o foi em 1940, quando ambos se tornaram estrelas). Para o próximo filme, Alexander Korda emprestou Vivien a MGM (Metro Goldwin Mayer) para estrelar a produção inglesa "Um Ianque em Oxford" (1938), com Robert Taylor, então no auge da popularidade. O entusiasmo inicial de Vivien tornou-se em decepção quando ela soube que não interpretaria a protagonista, que acabou ficando para Maureen O'Sullivan, sua ex-coleguinha de escola. Em 1938, Laurence Olivier foi contratado para interpretar Heathcliff na produção de Samuel Goldwyn "O Morro dos Ventos Uivantes" (1939). Ele desejava que Vivien interpretasse seu par-romântico no filme, que acabou com Merle Oberon. Mais tarde, Vivien decidiu que precisava vê-lo, e partiu a bordo do Queen Mary. Dizem que, durante a viagem, ela ficava na cabine, lendo o livro "E o Vento Levou", de Margaret Mitchell. Vivien não só estava ansiosa para rever seu amado Olivier, mas também planejava conquistar o papel de Scarlett O'Hara, a protagonista do filme "E o Vento Levou", de 1939. Pelo que se sabe, Vivien Leigh queria interpretar Scarlett havia muito tempo. O livro de Hugo Vickers, "Vivien Leigh" publicado em 1988, fala sobre o que houve durante a produção de um filme na Inglaterra, em 1937: Alguém disse a Laurence Olivier: "Larry, você daria um ótimo Rhett Butler" (o par-romântico da protagonista de E o vento levou, que acabou sendo interpretado por Clark Gable). Ele apenas riu, mas a discussão sobre o elenco prosseguiu, e Vivien causou um silêncio repentino ao dizer: 'Larry não será Rhett Butler, mas eu serei Scarlett O'Hara. Esperem e verão' ." Isso era, no mínimo, muito curioso, uma vez que ela era uma total desconhecida na América e na época, havia muita divergência sobre quem deveria interpretar Scarlett O'Hara. A escolha de sua intérprete fascinou o mundo. Centenas de mulheres fizeram testes, algumas desconhecidas e amadoras, de setembro de 1936 até dezembro de 1938, entre elas Tallulah Bankhead, Paulette Goddard, Jean Arthur, Joan Bennett, Lana Turner e Susan Hayward. O produtor do filme, David O. Selznick, sempre preferia achar uma atriz novata, algum rosto novo que não fosse identificado por papéis anteriores. Atrizes bastante famosas que estiveram cotadas, mas que por várias razões não fizeram o teste, incluem estrelas da época, como Margaret Sullavan, Miriam Hopkins, Joan Crawford, Norma Shearer, Loretta Young, Bette Davis e Katharine Hepburn. Vivien dizia que o livro era maravilhoso e que daria um ótimo filme. Ouviram-na até dizendo: "Eu me escolhi como Scarlett O'Hara. O que acha?". Está claro que Vivien falava tanto de Scarlett na esperança que alguém da Selznick International Pictures registrasse seu interesse e investigasse o caso. Em seu livro de 1989, "Vivien a love affair in camera" o famoso fotógrafo Angus McBean escreveu sobre ela, quem fotografara em inúmeras ocasiões, durante 30 anos. McBean relatou que em 1936 ele foi convidado a levar umas fotos até a casa dela em Londres. Nesse trecho, ela diz: "São maravilhosas (as fotos), Angus, querido. Como eu queria (interpretar Scarlett). Você leu o livro? 'Que livro?' "E O VENTO LEVOU", claro. É a minha Bíblia. E vou interpretar Scarlett nem que seja a última coisa que eu faça. Você não leu? Precisa ler." E ela lhe deu uma cópia do livro, com esta dedicatória: "Ao querido Angus, com amor. Scarlett O'Hara". Em 1941 David O. Selznick (o produtor de "E o vento levou") escreveu um artigo para uma revista, que dizia: "Antes que meu irmão, Myron Selznick, o maior empresário de Hollywood, levasse Laurence Olivier e Vivien Leigh para ver a cena do incêndio de Atlanta, eu nunca vira Vivien. Quando Myron nos apresentou, as chamas iluminavam o rosto dela, e ele disse: 'Quero apresentar Scarlett O'Hara'. Naquele momento, tive certeza de que era a atriz perfeita, pelo menos fisicamente". Mais tarde, os testes, feitos sob a brilhante direção de George Kukor, mostraram que ela também "estraçalhava" no papel. Depois de várias pré-estréias de gala em dezembro de 1939, "E O Vento Levou" tornou-se o filme mais famoso, mais assistido e mais aclamado da História, e Vivien Leigh, interpretando Scarlett O'Hara, foi a força motriz dele. O clássico ganhou o impressionante número de 10 prêmios Oscar (incluindo o de melhor filme e, também, o primeiro Oscar dado a uma atriz afro-americana, Hattie McDaniel). Foi aí que Vivien ganhou o primeiro de seus dois Oscars de melhor atriz. Quando, em 1951, a Warner anunciou a versão filmada de "Uma Rua Chamada Pecado", pensou-se em Olivia de Havilland (com quem Vivien havia contracenado em "E o Vento Levou") para o papel principal, mas ofereceram o papel a Vivien, que recebeu cem mil dólares, tornando-se a atriz inglesa mais bem-paga da época. Vivien e Laurence não iam a Hollywood há quase dez anos, e a chegada deles no outono de 1950 despertou entusiasmo no ramo. Ele também ia fazer um filme lá: "Perdição por Amor", de William Wyler, que já o dirigira antes em "O Morro dos Ventos Uivantes". Vivien Leigh teve um desempenho magnífico em "Uma Rua Chamada Pecado" e, por isso, foi recompensada com seu segundo Oscar de melhor atriz, mas seu trunfo teve um preço alto; ela diria depois: "Blanche DuBois é uma mulher da qual tudo foi arrancado, uma figura trágica e eu a entendo, mas interpretá-la me fez mergulhar na loucura." Vivien Leigh e Laurence Olivier trabalharam nas peças César e Cleópatra e Antônio e Cleópatra em noites alternadas, para o Festival da Grã Bretanha de 1951. Naquela época, a vida de Vivien estava mudando. Ela, que sofria de tuberculose, também sofreu dois abortos, e foi diagnosticada como maníaco-depressiva. Contudo, o público ainda a amava. Como o ritmo alucinado de trabalho era excessivo, Vivien começou a cair em longos períodos de depressão. De fato, ela teve de se afastar do trabalho durante boa parte de 1952. Sua volta ao trabalho, no filme "No Caminho dos Elefantes" (1953), só piorou as coisas: Vivien teve um colapso no set, e precisou ser substituída por Elizabeth Taylor. Em seguida, começaram os boatos sobre a situação de seu casamento com Olivier. Em 1960 os boatos sobre a situação do casamento de Vivien Leigh e Laurence Olivier se confirmaram quando ele a abandonou para ficar com a comediante Joan Plowright, 22 anos mais nova do que ele. Ela pediu o divórcio por adultério, que foi concedido a 2 de dezembro de 1960. Depois disso, nunca mais se casou. Em 1963, Vivien ganhou um prêmio Tony por seu desempenho na comédia musical Tovarich. No ano seguinte, ela voltou a Hollywood para viver outra sulista no filme "A Nau dos Insensatos" (1965). Em outubro de 1964, ela retornou pela primeira vez à Índia, desde que saíra ainda criança. Ela visitou sua filha, Suzanne. Vivien Leigh ensaiava "A Delicate Balance", de Edward Albee, em Londres, quando teve uma recaída (causada pela tuberculose que a atormentava havia décadas). Em 07/07/1967 Vivien Leigh foi encontrada morta em seu apartamento em Londres por Jack Merivale, ator e amigo de longa data que se tornou seu par romântico em últimos anos. Marido: Laurence Olivier [1937 à 1960]. Causa da Morte: Vivien Leigh faleceu em 07/07/1967, aos 53 anos de idade em seu apartamento em Londres (Inglaterra), devido à complicações provocadas por Tuberculose. Sepultamento: O Corpo de Vivien Leigh foi cremado e suas cinzas foram espalhadas em um lago, próximo à Blackboys, Sussex, Inglaterra. _____________________________________________________________ Nota: [Zelamos pela qualidade e precisão das informações contidas nas Mini Biográfias publicadas, no entanto falhas podem ocorrer, sendo que neste caso solicitamos que possíveis erros existentes nessa Mini Biografia, bem como para complementar informações e dados que possam melhorar o artigo, sejam comunicados através do e-mail: assombracoes@gmail.com]. _____________________________________________________ Além da Imaginação . Home Page

sábado, 20 de julho de 2013

SEBASTIÃO VASCONCELOS " Obituário da Fama."


Ator [21 / 05 / 1927 <==> 15 / 07 / 2013] Sebastião Vasconcelos Costa, mais conhecido como Sebastião Vasconcelos, foi um famoso ator brasileiro, muito conhecido participações em filmes brasileiros e perincipalmente em novelas para a televisão. Sebastião Vasconcelos nasceu na cidade de Pocinhos (PB). Sua carreira artística teve início em Recife, onde ele participou da fundação do Teatro Universitário e atuou em seis espetáculos e no Teatro de Amadores de Pernambuco, onde fez dez peças, que foram dirigidas por grandes nomes do cenário teatral brasileiro. Foram seus diretores: Graça Mello, Ziembinski e Gianni Ratto. Depois Sebastião Vasconcelos foi para o Teatro Do Estudante de Pernambuco, e fez uma peça, dirigida por Hermilo Borba Filho. Em 1955, o ator mudou-se para o Rio de Janeiro, onde entrou para a Companhia de Teatro Tônia-Celi-Autran e fez: "Otelo" e "A Viuva Astuciosa". Nessa peça recebeu seu primeiro prêmio, como Ator Coadjuvante, da ABCT (Associação Brasileira de Críticos Teatrais). Na sequência fez " As Guerras do Alecrim e da Manjerona", "O Judeu" e "A Bela Madame Vargas". Inicia na televisão, também ao lado de Tônia Carrero e Paulo Autran, no Teatro da TV Tupi. Anos mais tarde, estréia na TV Globo, em O Matador, de Oduvaldo Vianna Filho. A primeira novela de Sebastião Vasconcelos foi Cabocla, em 1959, quando interpretou o protagonista Luis Gerônimo (romance de Ribeiro Couto). Desde então não parou mais. Ele ganhou fama nacional após participar das novelas Tieta (em 89), com o personagem Zé Esteves, o pai da protagonista Beth Faria; e também da novela “Mulheres de areia” (em 93), quando interpretou o pescador Floriano, pai das gêmeas Ruth e Raquel (interpretadas por Glória Pires). Sebastião Vasconcelos deixou o quadro de funcionários da Rede Globo em 2004, quando passou a trabalhar na TV Record. Na Record, Sebastião Vasconcelos trabalhou nas novelas Caminho do Coração, como Mauro Fontes, e também em Os Mutantes, continuação da trama, nos anos de 2007 e 2008. Na lista de filmes de Sebastião Vasconcelos em sua carreira, temos Um Caso de Polícia (1959), Assassinato em Copacabana, O 5º Poder, Os Raptores, Índia, a Filha do Sol e Inocência. Vasconcelos esteve na versão original da novela Saramandaia, exibida pela TV Globo em 1976, quando interpretou o coronel Tenório Tavares. Ainda destacando a biografia de Sebastião Vasconcelos, ele ganhou o prêmio Molière de Melhor Ator com o espetáculo "Os Emigrados". Causa da Morte: Sebastião Vasconcelos morreu em 15/07/2013 no Hospital Israelita Albert Sabin, no Bairro Tijuca (Rio de Janeiro) com 86 anos de idade, devido à complicações de Enfisema Pulmonar e Pneumonia. Sepultamento: O Corpo de Sebastião Vasconcelos foi cremado no Cemitério do Cajú - Zona Portuário do Rio de Janeiro.

domingo, 30 de junho de 2013

Honda inicia produção do primeiro carro a água | Automóvel a Hidrogénio.


primeiro automóvel produzido para o comércio movido a hidrogénio irá estar disponível no mercado a partir do mês que vem. A fabricante japonesa de automóveis Honda começou a produzir nesta segunda-feira os primeiros carros movidos a hidrogênio para serem vendidos no mercado americano em julho, e a partir de setembro no Japão. O carro para quatro pessoas, é movido a hidrogênio e eletricidade, emitindo apenas vapor d’água pelo tubo de escape! O fx clarity, nome do primeiro carro a hidrogénio, oferece 3 vezes mais eficiencia energética do que os carros movidos a gasolina. A Honda vai fabricar 200 automóveis a água nos proximos 3 anos, e irá vendeêlos a leasing. O carro a água será vendido por 600$ dolares por mês durante 3 anos, com seguro e manutenção incluidos. O maior problema, para não termos carros a hidrogénio em larga escala, é a falta do postos de abastecimento com hidrogénio. Uma das maiores dificuldades para o uso em larga escala dos carros movidos a hidrogênio é a falta de postos de abastecimento.

Por que o seu horóscopo está errado?


Já faz algum tempo que nossos horóscopos estão errados, o problema não é apenas com as previsões para 2011. Por que? Basicamente, porque as estrelas não estão alinhadas da forma que os astrólogos acham. Nossos signos zodiacais – Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes – são determinados pela constelação alinhada com o Sol no dia em que nascemos. Só que a Terra balança, algo que é conhecido pelos cientistas como precessão. Isso quer dizer que durante os últimos 2500 anos, desde que os signos foram “estabelecidos”, seu signo se moveu, aproximadamente, um mês em relação ao sol e as estrelas. Ou seja, você não é do signo que acha que é. E há um novo signo no céu desde então – Ophiuchus (ou Serpente) – que vem depois de escorpião. Então se você nasceu entre 29 de novembro e 17 de dezembro, seu signo é “novinho” em folha. Se você quer saber qual é seu verdadeiro signo, confira a tabela abaixo: * Capricórnio – 20 de Janeiro a 16 de Fevereiro * Aquário – 16 de Fevereiro a 11 de Março * Peixes – 11 de Março a 18 de Abril * Áries – 18 de Abril a 13 de Maio * Touro-13 de Maio a 21 de Junho * Gêmeos – 21 de Junho a 20 de Julho * Câncer – 20 de Julho a 10 de Agosto * Leão – 10 de Agosto a 16 de Setembro * Virgem – 16 de Setembro a 30 de Outubro * Libra – 30 de Outubro a 23 de Novembro * Escorpião – 23 de Novembro a 29 de Novembro * Serpente – 29 de Novembro a 17 de Dezembro * Sagitário – 17 de Dezembro a 20 de Janeiro

sábado, 29 de junho de 2013

Meias fedorentas ajudam a combater a malária.


Meias repulsivamente fedidas são uma arma na guerra contra a malária, informaram nesta quarta-feira cientistas da Tanzânia. Elas funcionam como um chamariz para o mosquito que transmite a doença. Na experiência, os pesquisadores “perfumaram” armadilhas para os bichos com o odor das meias, que quando atraídos eram envenenados. Em comparação às emboscadas com cheiro normal, as turbinadas capturaram quatro vezes mais mosquitos. A equipe já trabalha no projeto há dois anos. Os casos de malária têm diminuído, mas ainda acontecem cerca de 220 milhões de novas contaminações por ano em todo o mundo.

Irmãos de 5 e 7 anos de idade batem o carro da avó, na Holanda.


A polícia de Amsterdã se surpreendeu ao descobrir que os responsáveis por um acidente de trânsito eram dois garotos de cinco e sete anos de idade, que mal conseguem enxergar por cima do painel. Os irmãos resolveram dar uma "voltinha" com o carro da avó e acabaram por gerar um bom prejuízo. Quando chegaram ao local, os tiras encontraram o veículo batido em um poste de metal, com bastante dano à parte da frente, e os garotinhos esperando do lado de fora. Segundo a agência de notícias AFP, o irmão mais velho confessou que eles haviam pegado o carro escondido, e dirigido por aproximadamente 1,5 km antes da colisão. Levados para a delegacia e liberados, os jovens não sofreram ferimentos. "Pelo menos eu estava usando cinto de segurança, e meu irmão estava no assento para crianças", revelou mais tarde o menino não identificado de sete anos à agência holandesa ANP. Talvez os garotos já estavam cansados de carrinho de brinquedo.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

A história do automóvel:Como foi inventado o carro.


Ao longo da História, a humanidade sempre buscou por formas de melhorar a vida. E na busca por um meio de transporte cada vez mais rápido, eficiente e confortável, aos poucos, o ser humano foi criando e desenvolvendo uma máquina que hoje conhecemos como carro. Antes do carro as pessoas se locomoviam por meio de cavalos, carroças e carruagens. No entanto, o primeiro automóvel a combustão foi criado por Karl Friedrich Benz em 1886. Benz era um engenheiro mecânico,nasceu na Alemanha e patenteou um carro de três rodas, com o seu próprio sistema de acelerador, velas de ignição, engrenagens, radiador de água, carburador e outras ferramentas necessárias no sistema interno do carro. A partir daquela época, Benz construiu uma companhia de carro que existe até hoje, como o Grupo Daimler. Patenteou, mas não foi o primeiro a pensar na invenção Embora Karl Benz tenha patenteado o primeiro carro movido à gasolina, a ideia de um veículo automotor já havia sido idealizada por outros homens que existiram antes de Benz. Um dos maiores gênios da Humanidade, Leonardo da Vinci, em 1500 já havia esboçado um carro mecanizado sem auxílio de cavalos, mas como a maioria de seus projetos, não saiu do papel. Em 1769, um francês chamado Nicolas-Joseph Cugnot construiu um veículo automotor com um motor movido a vapor, no entanto, a ideia foi logo abandonada. Outra tentativa de construir um automóvel, desta vez com uma bateria recarregável, foi desenvolvida entre 1832 e 1839 pelo escocês Robert Anderson. Entretanto, a bateria precisava ser constantemente recarregada por um motor elétrico, além disso, esses veículos eram pesados e caros, e por isso foram abandonados pela inviabilidade. O primeiro carro que deu certo Após tantas tentativas sem sucesso, Karl Benz conseguiu desenvolver um carro prático comum com motor de combustão interno, movido a gasolina, e que serviu de modelo para os carros que temos hoje. A história de Benz O engenheiro nasceu em 1844 em Karlsruhe, na Alemanha. Filho de um trabalhador ferroviário foi criado apenas pela mãe, já que o pai morreu quando ele tinha apenas 2 anos. Aos 15 anos, entrou para a Universidade de Karlsruhe, e em 1864 formou-se em engenharia mecânica. Benz idealizou e empreendeu esforços e dinheiro em uma fundição de ferro e uma oficina de chapa metálica, mas o empreendimento não deu certo. No entanto, a sua noiva Bertha Ringer, que acreditava no talento de Benz, utilizou o seu próprio dote para financiar uma nova fábrica para a construção de motores a gás. Quando a empresa finalmente começou a lucrar, Benz passou a construir carruagens sem cavalos, movidos a gás. Em 1888 a então esposa de Benz, Bertha, resolveu fazer uma viagem com um dos modelos mais recentes construídos pelo marido. Após a viagem bem sucedida, Benz conseguiu melhorar o seu carro fazendo alguns ajustes necessários. No ano seguinte, em 1889, o engenheiro demonstrou o seu modelo Motorwagen na Feira Mundial de Paris. Quarenta anos mais tarde, em 1929, Benz faleceu e não pôde constatar o sucesso que seria a máquina que criara. No entanto, dois anos antes de sua morte, Benz se fundiu com a companhia de automóvel do colega Gottlieb Daimler, e formaram o que é hoje o Grupo Daimler, o fabricante da marca Mercedes-Benz.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Quero Comprar Seu Tempo...


Uma menina,com voz tímida e olhos de admiração, pergunta ao pai quando este retorna do trabalho: -papai, quanto o senhor ganha por hora? O pai, num gesto severo, responde: -Escuta aqui,meu filha, isto nem a sua mãe sabe. Não amole, estou cansado ...mas a filha insiste: -Mas pai, por favor, diga o quanto o senhor ganha por hora? A reação do pai foi menos severa e respondeu: - três reais por hora... -então, pai, o senhor poderia me emprestar um real? O pai nervoso e tratando a filha com brutalidade, respondeu: -Então era essa razão de querer saber o quanto eu ganho?Vá dormir e não me amole mais, menina abusada.. Já era tarde da noite quando o pai começou a pensar no que havia acontecido e sentiu-se arrependido.Talvez, quem sabe, a filha precisasse comprar algo. Querendo aliviar sua consciência pesada, foi ate o quarto da menina e, em voz baixa, perguntou: filha esta dormindo? -Não pai, respondeu sonolenta a garota. -Olha, aqui esta o dinheiro que você me pediu, um real. Muito obrigado, papai disse a filha levantando-se sorrindo e retirando mais dois reais de uma caixinha que estava sob a sua cama. - agora já completei, papai tenho três reais... E olhando o pai com carinha de sono, entrega o dinheiro para ele dizendo solenemente ... "Papai poderia me vender uma hora do seu tempo?" Autor Desconhecido ********

domingo, 28 de abril de 2013

Piada da Terceira Idade.


Depois dos 50 • Os seqüestradores não se interessam mais por você. • De um grupo de reféns, provavelmente você será um dos primeiros a ser libertado. • As pessoas lhe telefonam às nove da manhã e perguntam: Te acordei? • Ninguém mais o considera hipocondríaco. • As coisas que você comprar agora não chegarão a ficar velhas. • Você pode, numa boa, jantar às seis da tarde. • Você pode viver sem relações sexuais, mas não sem os óculos. • Você curte ouvir histórias das cirurgias dos outros. • Você discute apaixonadamente sobre planos de aposentadoria. • Você dá uma festa e os vizinhos nem percebem. • Você deixa de encarar os limites de velocidade como um desafio. • Você pára de tentar manter a barriga encolhida, não importa quem entre na sala. • Você cantarola junto com a música do elevador. • A sua visão não vai piorar muito mais. • O seu investimento em planos de saúde finalmente começa a valer a pena. • As suas articulações passam a ser mais confiáveis do que o serviço de meteorologia. • Seus segredos passam a estar bem guardados com seus amigos, porque eles os esquecem. • Você não quer nem saber onde sua mulher vai, contanto que não tenha que ir junto. • Você é avisado para ir devagar. Pelo médico, e não pelo policial. • Funcionou! – significa que você hoje não precisa ingerir fibras. • Que sorte! – significa que você encontrou seu carro no estacionamento. • Uma noite e tanto – significa que você não teve que se levantar para fazer xixi. • Você não consegue se lembrar de quem lhe mandou esta lista. ***

segunda-feira, 8 de abril de 2013

DINA SFAT . Obituário da Fama.


Atriz [28 / 08 / 1939 <==> 20 / 03 / 1989] Dina Kutner de Souza, mais conhecida como Dina Sfat, foi uma atriz brasileira, lembrada pelo público, principalmente pela sua particpação em novelas televisivas. Dina Sfat nasceu na cidade de São Paulo, sendo seus pais de origem Polonesa. Dina sempre quis ser artista. Seu primeiro emprego foi em um laboratório de análises clínicas quando tinha 16 anos. Estreou nos palcos em 1962 em um pequeno papel no espetáculo Antígone América, dirigida por Antonio Abujamra. Em seguida foi para o teatro amador e foi parar no Teatro de Arena, onde estreou profissionalmente vivendo a personagem Manuela de "Os Fuzis da Senhora Carrar" de Bertold Brecht. A atriz se transformou em uma grata revelação dos palcos e mudou seu nome artístico para Dina Sfat, homenageando a cidade natal de sua mãe. Dina Sfat participou de espetáculos importantes na década de 1960 em São Paulo e conquistou o Prêmio "Governador do Estado" de melhor atriz por seu desempenho em "Arena Conta Zumbi" em 1965, um musical de Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal. Dina foi para o Rio de Janeiro e estreou nos palcos de um teatro na peça "O Rei da Cidade". Dina Sfat sonhava desde criança em ser artista, porém sua estréia nos palcos demorou um pouco e sua primeira aparição como atriz foi aos 24 (vinte e quatro) anos no ano de 1962 (mil novecentos e sessenta e dois), no espetáculo dirigido por Antonio Abujarama, na peça “Antígone América”. Logo depois teve sua consagração após atuação na peça “Os Fuzis da Senhora Carrar” de Bertold Brecht, na qual viveu a personagem Manuela. Dina Sfat atuou em várias peças e chegou a conquistar o prêmio de melhor atriz em 1965 (mil novecentos e sessenta e cinco), pela atuação em um musical. Teve estréia no cinema e na televisão, atuando em novelas de sucesso e de escritores renomados. Dina Sfat chega à televisão no final da década de 1960 e destaca-se em papéis de enorme carga dramática em telenovelas de autoria de Janete Clair, como Selva de Pedra, Fogo Sobre Terra, O Astro e Eu Prometo, mas também brilhou em outras como Verão Vermelho, Assim na Terra Como no Céu, Gabriela e Os Ossos do Barão. Posou nua para revista Playboy em janeiro de 1982, num ensaio secundário. Foi casada por 17 anos com Paulo José, com quem teve três filhas: Bel Kutner, que inclusive é atriz e atua na televisão há um bom tempo, Ana e Clara Dina Sfat descobriu o câncer, inicialmente no seio, em 1986, mas não deixou de trabalhar, mesmo em tratamento. Quando a doença surgiu, descoberta na forma de um nódulo no seio direito, Dina não quis adotar métodos tradicionais de tratamento e preferiu recorrer à homeopatia, à acupuntura e à parapsicologia. Meses depoi, sem obter resultados, sofreu uma mastectomia. Na época, os médicos lhe deram seis meses de vida. No final de 1987, Dina teve que tirar os ovários e uma metástase óssea foi identificada. Mesmo muito doente, Dina não parou de trabalhar. Embora com sua participação reduzida, gravou cenas para a novela "Bebê a Bordo até o último capítulo. No último mês de vida, seu estado voltou a ase agravar, sendo que se submeteu a sessões de quimioterapia, sem resultados. Em seus últimos dias de vida, Diuna já não se levantava da cama, passando o tempo todo praticamente dormindo. Durante seu tratamento inicial, Dina Sfat viaja para a Rússia, aproveitando para fazer um documentário para a TV, no momento em que a perestróika dava seus primeiros passos, levantando muita curiosidade sobre o assunto. Também escreveu um livro, publicado em 1988, um pouco antes da sua morte, sobre sua vida e a luta contra o câncer, chamado "Dina Sfat- Palmas prá que te Quero", junto com a jornalista Mara Caballero e fez a novela Bebê a Bordo, seu último trabalho na televisão. Seu último filme foi "O Judeu" que só estreou em circuito depois da morte da atriz. Causa da Morte: Dina Sfat morreu na manhã de 20/03/1989 com 49 anos de idade, em seu apartamento na cidade do Rio de Janeiro, vítima de insuficiência hepática causada por uma série de complicações desde o aparecimento de um câncer no seio em 1986. Sepultamento: Cemitério Comunal Israelita do Caju. Rua Monsenhor Manuel Gomes, 311.